Um Olhar de Amor

13-11-2016 12:42

"Quando lanço ao outro um olhar amoroso, revelo-lhe a sua natureza profunda, chamo-o à sua verdadeira identidade. O olhar daquele que me ama, esse olhar que vê em mim aquilo que sou de mais profundo coloca-me na minha realidade, remete-me para a luz original. 

(...). Na minha vida, àqueles que me inspiraram amor, devo-lhes tudo."

                                                                                                                          Christiane Singer

 

“Precisamos muito do olhar dos outros. A necessidade de uma reparação, de um olhar que redime, que diz “tu vales a pena, tu és importante, tu és significativo.” Esse olhar é um olhar que confirma e nós só vivemos bem se nos sentirmos confirmados pelo olhar dos outros que nos reconhecem como pessoas.”

       José Tolentino Medonça

Que olhar é este de que precisamos? Não, não se trata de um ego ávido de reconhecimento. Trata-se de um olhar de Amor que nos confirma como pessoas. Um olhar que nos remete para a nossa origem mais profunda, a da comunhão com aquilo a que, como nos diz, Thomas d´Ansenbourg, poetas, pintores, filósofos, místicos, sábios e crentes de qualquer fé parecem ter chamado ao longo dos tempos, o Todo, ou a Plenitude, ou ainda o Amor infinito.

“Sejamos ou não crentes, todos fizemos essa experiência de integração no Todo, na Plenitude, no Amor infinito, no ventre materno de onde viemos. Esta foi uma experiência vital de fusão, de comunhão, de apoio incondicional, de um sentimento de unidade, de sentido e de segurança, num doce calor que nos embala, sem distinção entre eu, tu, nós, nem condicionalismos espácio-temporais.”

É esse olhar de amor que nos revela e a ele tudo devemos.